Parque da Cerejeira fechado ao público.

Saiba mais

Sobre a Festa

Festa da Cerejeira em Flor de Campos do Jordão

A Festa da Cerejeira é, em essência, um hanami: um costume tradicional japonês de contemplação da beleza das flores, sendo a sakura (cerejeira), uma das mais admiradas. Além de anunciar a chegada da primavera, a florada simboliza também a efemeridade da vida, pois dura apenas poucas semanas, já que as flores da cerejeira são bastante delicadas e caem com muita rapidez.

Em Campos do Jordão, a festa acontece entre os meses de julho e agosto, quando a florada do Parque da Cerejeira está no seu auge. Milhares de pessoas vem todos os anos apreciar as flores e participar das festividades.

Os visitantes tem a oportunidade de vivenciar um pouco da cultura japonesa, passeando pelo Jardim Oriental e assistindo as apresentações artísticas de música e dança, exibições de artes marciais, entre outros. Não é raro encontrar pessoas circulando pelo parque, vestidas com roupas tradicionais japonesas ou fazendo cosplay (se caracterizando como uma personagem, geralmente de desenhos e games).

Comidas típicas japonesas e da culinária local são também um dos atrativos da festa, assim como as lojinhas com seus mais variados produtos para você e para levar de lembrança para alguém.

Esta é uma festa beneficente, e é realizada pelo Recanto de Repouso Sakura-Home. Toda renda arrecadada durante a festa tem contribuído durante todos estes anos na manutenção da instituição e no adequado tratamento dos internos.

Portanto, além de passar um agradável dia de festividade junto com familiares e amigos, você ainda contribui com esta instituição em prol do cuidado com nossos idosos.

História da Festa

As primeiras cerejeiras vindas do Japão foram plantadas em 1936, por ocasião da inauguração do Sanatório Dojinkai. Eram da variedade Takasago e se adaptaram bem ao clima de Campos do Jordão e continuam apresentando belas floradas no início da primavera.

Em 1937, para comemorar a fundação da Colônia Lageado, Dr. Shizue Hosoe enviou 10 mudas das variedades Taizan, Botan e Amazonas, plantadas pelos colonos da região. Esses plantios foram um teste bem sucedido, já que as cerejeiras se adaptaram bem ao clima da Mantiqueira, sendo Campos do Jordão a única região no Brasil onde as cerejeiras do Japão floresceram efetivamente.

Posteriormente foi introduzida a variedade Okinawa, que floresce precocemente no inverno. O floricultor Mário Utyiama dedicou-se à multiplicação de outras variedades, como Benifuken, Yoshiro, e Oshima, através da técnica de enxerto em espécies diferentes, produzindo variedades híbridas.

No Palácio da Boa Vista, residência oficial de inverno do Governo do Estado de São Paulo, foram plantadas, em 1967, quinhentas mudas da variedade Some Yoshino, procedentes do Japão.

A florada das cerejeiras começou a atrair japoneses de diversas regiões, saudosos do espetáculo das Sakuras que, anualmente, presenciavam na sua terra.

O número de visitantes cresceu ano após ano, fato que despertou nas autoridades jordanenses a ideia de criar um evento com festividades musicais, danças e feira de artesanato para recepcionar esses visitantes.

Em 5 de outubro de 1968, o Prefeito Municipal em exercício, Arakaki Masakasu, sancionou a lei da Câmara Municipal, de autoria do Vereador Fausto Bueno de Arruda Camargo, que instituiu a Festa da Cerejeira em Flor de Campos do Jordão.

As primeiras festas foram realizadas na Cogumelândia, na Vila Jaguaribe, então propriedade de Mário Utyiama. Posteriormente o evento foi transferido para o Bosque São Francisco Xavier, localização atual da festa, onde as cerejeiras floresciam em abundância, principalmente a variedade Yoko, plantadas por Hirofumi Haruna.

Recanto de Repouso Sakura-Home

O Recanto de Respouso Sakura-Home é uma das unidades de assistência social da Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo, e é a realizadora da Festa da Cerejeira de Campos do Jordão. Trata-se de uma casa de repouso para idosos, focada no adequado cuidado e tratamento de pessoas da terceira idade. O Recanto possui acomodações com capacidade para acolher até 40 residentes.

O Recanto de Repouso Sakura-Home oferece aos seus usuários uma programação de atividades diversificada, como a ginástica típica japonesa (Radio Taiso), música, canto e jogos diversos, artesanato, pintura e origami, caminhada, cozinha terapêutica e sessões de fisioterapia.

Os usuários contam com uma equipe multidisciplinar, composta por assistentes sociais, fisioterapeutas, nutricionistas, enfermeiros, psiquiatras e pneumologistas.

Para maior segurança dos usuários, o Recanto possui uma estrutura toda interligada por rampas com corrimão. Além disso, conta também com duas salas de entretenimento e amplo refeitório, onde são servidas seis refeições diárias.

História

O Recanto de Repouso Sakura-Home tornou-se uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) a partir de 2000, onde funcionava desde 1937 o Sanatório São Francisco Xavier para tratamento de tuberculose, problema muito sério entre os imigrantes japoneses na época.

Com o advento do sistema avançado de tratamento da tuberculose, que dispensava internação, a Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo optou por transformar o espaço em Casa de Repouso para idosos, após realização de adaptações necessárias para seu funcionamento.

Aliado ao ar puro, acomodações confortáveis, amplo jardim sempre florido, assistência e atividades planejadas pela equipe multidisciplinar, o Recanto foi conquistando a simpatia e interesse dos idosos e seus familiares.

Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo

A Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo, também conhecida como Enkyo, tem uma importante atuação nas áreas de saúde e assistência social, visando a qualidade de vida e o bem-estar das comunidades onde atua. Ela conta com uma ampla rede de atendimento, desde hospitais a centrais de assistência social, e tem como uma de suas unidades de atuação o Recanto de Repouso Sakura-Home.

História

A Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo foi fundada em 28 de janeiro de 1959 com o nome de Associação de Assistência aos Imigrantes Japoneses, cujo foco principal era o de oferecer assistência aos imigrantes do pós-guerra, ajudando-os em seu desembarque no Porto de Santos e acolhendo os membros fragilizados na Casa do Imigrante.

Alguns anos mais tarde, a instituição estendeu o serviço assistencial àqueles que enfrentavam dificuldades diversas e também passou a oferecer assistência médica por intermédio de um consultório em São Paulo e da Assistência Médica Móvel (Junkai), a partir de 1960.

Em 1972, a denominação foi alterada para Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo.

A Beneficência foi crescendo sempre atenta às necessidades ditadas pelas mudanças sociais e, graças ao apoio e colaboração de inúmeras pessoas, seja pelo trabalho voluntário ou por doações, se tornou referência na comunidade pela qualidade de seu trabalho na área da saúde e de assistência social.

Para saber mais, acesse o site do Enkyo: enkyo.org.br

.